Oxidação cartaz.jpg

Texto Crítico

De que forma uma leitura atenta do cotidiano, realizada através de um exercício do olhar sobre ações espontâneas e inconscientes, é capaz de revelar percursos que de alguma forma encontram-se entrelaçados - difíceis de discernir - e que unem tempos, espaços e memórias na constituição do que somos, como somos e porque somos?
Esse mergulho em nós mesmos pode se dar naturalmente em momentos distintos de nossas vidas. Momentos em que, confrontados pela própria existência, somos apresentados a perspectivas que habitam, moldam e constituem um corpo que sempre esteve presente de forma familiar, mas que nunca antes foi conhecido assim, sozinho. 


A solitude nos faz compreender distâncias, enxergar diferenças, perceber ausências daquilo que um dia esteve perto, dos caminhos que faziam sentido. Ela também nos auxilia a navegar sob um céu sem nuvens, limpo de dúvidas, por entre costuras que amarram o tempo e ancoram memórias. Memórias do tempo presente, memórias antigas de uma história que mesmo corroída resiste. Os trabalhos de Aldones Nino aqui reunidos, tensionam memórias silenciosas e marginais há muito soterradas, que disputam e evidenciam as estruturas daquilo que nos faz ser o que é.


Diante deste contexto de buscas e constantes reconstruções da identidade, atravessam questões acerca das fronteiras e narrativas. Da sobreposição de práticas e imagens ligadas a herança da colônia e do império, maculadas por percepções enraizadas na vida social.


Oxidação, nesse sentido, é aqui entendida como um processo natural e universal de corrosão dos corpos e das formas tradicionais de interação com o mundo. É marca também da passagem irrefreável do tempo, que transforma lentamente a matéria original do prego, da tela, dos livros; em objetos que podem ser lidos e transcritos em versos e mapas que nos revelam mais sobre nós do que sobre eles próprios.

 

 


Guilherme de Paulo Siqueira

 

Museólogo e Mestrando pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil CPDOC/FGV-RJ
 

Vista da exposição

4.jpg